10.31.2010

A maneira como você se relaciona com seu bebê...

 pode afetar o modo como ele  reagirá  em seus relacionamentos futuros, por toda a vida!

O Dr. Peter Nathanielsz, diretor de um dos mais importantes centros de pesquisa sobre gravidez e recém-nascidos, do mundo, declarou:

Recomendo um ambiente interessante e estimulante, porque crianças que crescem em tal ambiente desenvolvem um sistema nervoso mais capaz.  A maioria das crianças recebe este estímulo através da intensa interação com um adulto. Tanto a mãe como o pai têm seu papel. Brinquedos de cores fortes e brinquedos motorizados são bons, mas, afinal, tais coisas não prendem a atenção de uma criança por muito tempo.
A conexão emocional entre pais e filhos ensina o cérebro da criança a decifrar pistas emocionais, isto é , ensina o cérebro a fazer conexões nervosas que  lhes permitem sentir calor e conforto vindos de outras pessoas. O cérebro do seu filho está aprendendo como processar emoções, decifrando interações que ele terá com outros seres humanos para o resto de sua vida. Numerosos estudos têm mostrado que, quando macacos crescem sem uma mãe calorosa e que lhes dê conforto, eles se tornam adultos frios e distantes. Outros estudos mostram que, quando as mães olham fixamente para os seus bebês por alguns minutos, primeiro os bebês dão um sorriso, e tentam tirar um sorriso de volta da mãe. Caso isso não ocorra, ficam confusos e agitados, e , finalmente ficam visivelmente aborrecidos. Então, através do bom ou mau estímulo, o cérebro é ensinado a interagir com outros seres humanos. Conexões emocionais estão sendo programadas nos neurônios. 
Embora essas conexões possam ser alteradas de algum modo mais tarde, muitas das decisões neurais que são tomadas durante a infância terão um efeito duradouro. A forte interação entre pais e filhos, o vínculo emocional entre o casal são uma base para a saúde física e emocional no futuro. Em termos de estímulos, nada pode substituir abraçar, falar e brincar com seu bebê. Falar como bebês de modo exagerado, falar sussurrando e cantando, além de conversas e perguntas repetitivas mostraram ser exatamente o tipo de estímulo que o bebê precisa para aprender melhor sobre o mundo à sua volta.
 Parcialmente adaptado de "A vida do Bebê no Útero".

3 comentários:

  1. Adorei este site, tenho um bebe de 7 meses e sempre venho aqui para ver o que posso fazer para ele se desenvolver melhor
    Qual seu facebook? Bjs

    ResponderExcluir
  2. Nossa, eu adorei esta postagem. Lembro-me que mesmo já não sendo um bebe, quando estava perto de minha mãe ficava sempre prestando atenção nela, sorrindo ou fazendo carinho, tentando agradá-la pois estava sempre estressada. Quando ela não expressava reação ou ainda expressava irritação (que era a maioria das vezes) me sentia um lixo, e ficava confusa. Resultado: fui diagnosticada com depressão aos 5 anos de idade. E tenho problemas com isso até hoje. Mas graças a Deus ela não é mais assim, foi só uma fase!(que coincidiu com a minha infância infelizmente).

    ResponderExcluir
  3. Pois é, Mariana. As crianças são muito sensíveis, e a atitude dos pais (principalmente da mãe) determina em grande parte a nossa saúde emocional. Felizmente existe o fenômeno da resilência, que permite que alguns indivíduos superem os momentos dolorosos da infância, e consigam seguir bem resolvidos consigo mesmos.
    POr exemplo, minha mãe estava sempre muito ocupada, e nunca tinha tempo para mim. Isso me marcou negativamente, mas hoje já superei, não totalmente, mas em grande parte, ao perdoá-la.

    Besitos

    ResponderExcluir

Related Posts with Thumbnails